Notícias

12/06/2017

Ato público marca luta em defesa do HUPAA

Manifestação em defesa do HUPAA busca mobilizar também comunidade usuária
Manifestação em defesa do HUPAA busca mobilizar também comunidade usuária

O Sintufal realizou na manhã desta segunda-feira (12/06) um ato público como tema: “Somos todos HU", em frente a uma das entradas do Hospital Universitário Professor Alberto Antunes (HUPAA), com o objetivo de defender a autonomia universitária e o próprio HU, diante os acontecimentos que resultaram na exoneração da superintendente Fátima, responsável pela administração do HUPAA, através da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh).

Os técnicos, usuários, estudantes e professores deram um abraço simbólico no HUPAA e percorreram os setores do hospital para divulgar o processo de luta em defesa do caráter público dos serviços de saúde ofertados pelo HU. Eles aproveitaram para denunciar a manobra golpista em curso que desrespeitou a autonomia universitária ao exonerar a superintendente Fátima Siliansky de Andreazzi.  

Durante o protesto foi feita a distribuição de uma Nota Pública, aprovada em assembleia dos técnicos, onde o Sintufal afirma que “A exoneração da Superintendente Fátima Siliansky é um verdadeiro golpe e gravíssimo ataque à Ufal e à autonomia universitária. O Presidente da EBSERH, Kleber Morais, nomeado pelo ilegítimo e golpista Governo Temer, confirma, com este ato de exoneração, o interesse deliberado da direção nacional desta Empresa em promover um estado de crise e conflito permanente dentro do HUPAA/UFAL, servindo apenas àqueles que querem aprofundar o processo de desmonte dos serviços públicos e precarização do trabalho. Acima de quaisquer diferenças em nossas avaliações acerca do que representa o modelo da EBSERH, precisamos lutar contra essa absurda ingerência no nosso HUPAA que tem como objetivo desmontar um projeto democrático de gestão pública”.

Nos próximos dias, o Sintufal pretende agendar com encontros e reuniões com outras entidades classistas e do setor da Saúde para tratar de resistência aos ataques sofridos no HUPAA com o desrespeito a autonomia universitária por aparte daqueles que apostam no desmantelamento dos serviços públicos.